Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Livro O Ateísmo da Igreja Primitiva - R. J. Rushdoony

5/5

R$21,90

3 em estoque

ou R$21,24 boleto ou pix (3% de desconto).

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Descrição do produto

Soberbo e pertinente para nossa era de estatismo O dr. Rushdoony foi um estudioso independente com vasta erudição e influência. Era excepcional na intepretação teológica da história e na aplicação da Bíblia a questões políticas e sociais. Não é preciso aceitar a teonomia (a aplicação estrita da lei do Antigo Testamento hoje) para apreciar sua obra prolífica.

 Esta obra pequena e significativa explica o motivo de os cristãos primitivos serem considerados ateus e rebeldes contra o Estado. Isso decorria de seu conhecimento e adoração exclusivos de Jesus Cristo como Senhor, e não do Estado. Assim eles rechaçavam o culto ao imperador — que se chama hoje “estatismo”. Mark Levin o descreveu em nossos dias: um mal utópico e coercivo (cf. Liberty and Tyranny).

 Se você deseja uma análise histórica e teológica do cristianismo e o Estado, leia este livro revelador. Então aplique-a aos césares dos nossos dias. — Dr. Douglas R. Groothuis Professor de Filosofia, Denver Seminary Autor, Philosophy in Seven Sentences Os cristãos primitivos eram chamados “heréticos” ou “ateístas” quando renegavam os deuses de Roma; em particular a divindade do imperador e o estatismo que ele incorporou no culto à sua pessoa. Os cristãos sabiam que Jesus Cristo era seu Senhor, não o Estado, e que a fé requeria um tipo diferente de relacionamento com o Estado do exigido por ele. Pelo fato de Jesus Cristo ser o Soberano reconhecido pelos cristãos, eles negavam de forma conscienciosa a estima a todos os pretendentes. A igreja deve tomar hoje uma posição similar em relação ao Estado moderno.

 Neste livreto corajoso, Rousas Rushdoony mostra como a igreja fiel a Cristo, Senhor de todos, recusou-se a prestar qualquer homenagem divina a César no Império Romano. Nós, da mesma forma, devemos ser ateístas aos ídolos do Estado e cultura. — Jean-Marc Berthoud Autor, Pierre Viret: o gigante esquecido da Reforma

Informação adicional

Peso 0.13 kg
Dimensões 21 × 14 × 2 cm
×

Carrinho

Não vá embora!
ADICIONE O CUPOM
E GANHE NA SUA COMPRA
+10% DE DESCONTO

Fale conosco
pelo WhatsApp

Registre-se agora
e receba promoções exclusivas.

Atendimento via WhatsApp